Psicopedagogia: em busca do sujeito autor - Nádia Bossa
21848
post-template-default,single,single-post,postid-21848,single-format-standard,theme-stockholm,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.5.2,menu-animation-underline-bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.1,vc_responsive
 

Psicopedagogia: em busca do sujeito autor

Psicopedagogia: em busca do sujeito autor

A Psicopedagogia, campo no qual floresceu o conceito de sujeito autor, é uma área de estudo interdisciplinar; que olha para o sujeito como um todo no contexto no qual está inserido; que estuda os caminhos do sujeito que aprende e apreende, adquire, elabora, saboreia e transforma em saber o conhecimento. É uma área de estudos de aplicação específica, uma vez que investiga conhecimentos em outros campos, mas cria seu próprio objeto de estudo e delimita seu campo de atuação.

A Psicopedagogia tem como objeto de estudo a aprendizagem humana, como se dá o aprender, suas variações e os fatores implicados, como ocorrem as alterações na aprendizagem e como preveni-las, ou tratá-las, Bossa (2000).

Andrade (2002), nos ensina a autoria de pensamento torna-se possível porque os sujeitos transformam-se mutuamente no encontro com o conhecimento. É, na e pela autoria, que esses sujeitos vão além da realidade imediata e são capazes de lhe dar novos significados. Portanto, tomamos aqui a concepção de sujeito autor como aquele que constrói seu pensamento e se faz presente através de um ‘’corpo’’ que sente, existe, ama e proclama sua liberdade de ser, de estar e viver no eterno presente, no eterno agora.

Quando pensamos em autoria, pensamos em Psicopedagogia, uma área de estudo interdisciplinar; que olha para o sujeito como um todo em/no contexto no qual está inserido; que estuda os caminhos do sujeito que aprende e apreende, adquire, elabora, saboreia e transforma em saber o conhecimento. A Psicopedagogia é o campo no qual floresceu o conceito de sujeito autor.

“A psicopedagogia estuda o processo de aprendizagem e suas dificuldades, e a numa ação profissional deve que englobar vários campos do conhecimento, integrando-os e sintetizando-os”.(Scoz, aput. Bossa. 2000: 19).

Bossa (2000) fala-nos que a Psicopedagogia tem como objeto de estudo da aprendizagem humana, o como se dá o aprender, suas variações e os fatores implicados, como ocorrem as alterações na aprendizagem e como preveni-las, ou tratá-las. Para tanto, a Psicopedagogia recorre a diferentes áreas como Filosofia, Neurologia, Sociologia, Lingüística, e Psicanálise, a fim de melhor compreender seu objeto de estudo e nortear sua prática. A Psicopedagogia é uma área de estudos e de aplicação específica, uma vez que busca conhecimentos em outros campos, mas cria seu próprio objeto de estudo e delimita seu campo de atuação.

Podemos perceber sob este ponto de vista que a Psicopedagogia não se restringirá a uma fusão entre Psicologia e Pedagogia, mas irá ultrapassar as relações casais e lineares, tendo assim uma visão de inter-relação. (Andrade, 2002)

Ainda, segundo Andrade, “A psicopedagogia vai trabalhar a gestação de espaços subjetivos e objetivos que possibilitam a autoria de pensamento. A autoria de pensamento pressupõe e espaços de liberdade que se constituem a partir da aceitação das diferenças e do prazer em pensar. E se constitui na medida em que o sujeito possa conceber-se diferente do outro e sinta-se autorizado por este outro a diferenciar-se. O prazer estará na descoberta da possibilidade de criar um objeto sobre o qual terá posse, podendo ainda autorizar ou não que seja conhecido pelo outro. (2002: 19)

Conforme autora, o que interessa a Psicopedagogia é compreender a subjetividade marcada pelo desejo de saber e fundada pela demanda de conhecimento. Esta, informa-nos também que, “Cabe à Psicopedagogia enquanto disciplina de um paradigma eco-disciplinar a compreensão da subjetividade sendo instaurada pelo conhecimento, da constituição de espaços objetivos e subjetivos que possibilitem a criatividade, a experiência da liberdade e a autoria do pensamento”. (2002:19)

Ainda, corroborando com esses pensamentos temos Capra declarando que, “A visão de mundo que está surgindo a partir da física moderna pode caracterizar se como orgânica, holística e ecológica… O universo deixa de ser visto com a máquina é composta por uma infinidade de objetivos para ser descrito, indivisível, cujas partes estão e essencialmente inter e relacionadas e só podem ser entendidas como modelos de um processo cósmico.” (caput, Andrade 2002:14)

Assim, participamos do pensamento de Andrade no qual podemos pensar a Psicopedagogia sob o enfoque de unidade e todo e inter-relacionados e interdependentes. Fortalecemos este olhar fundamentando-nos em Morin, no qual comunica que as disciplinas devem levar em conta tudo que lhes é contextual trazendo sua linguagem e seus conceitos para a vida, tornando-as abertas e, ao mesmo tempo, fechadas numa postura de solidariedade, Andrade (2002:12).

Nesse sentido, segundo a autora, podemos pensar que a Psicopedagogia irá lançar seu olhar para que sejam alcançados movimentos que tendem das operações lógicas para as operações significantes, de um caos inconsciente para uma organização consciente, de uma dramática para a inteligência, da ignorância para o conhecimento. Deste modo, o pensamento, este movimento do qual vai se ocupar a Psicopedagogia, será entendido como um princípio estruturante.

Ilustramos estas idéias com palavras de Fernandez, “… pensar é sempre um apelo ao outro, uma confrontação com pensamento do outro. Embora sendo um processo subjetivo acontece na intersubjetividade.”. (caput, Andrade,2002:16)