Transtorno de Estresse Pós Traumático - Nádia Bossa
24611
post-template-default,single,single-post,postid-24611,single-format-standard,theme-stockholm,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.5.2,menu-animation-underline-bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.1,vc_responsive
 

Transtorno de Estresse Pós Traumático

Transtorno de Estresse Pós Traumático

O Transtorno de Estresse Pós Traumático se desenvolve após uma situação terrível que envolveu dano físico ou ameaça ao dano físico. A pessoa que desenvolve esse transtorno pode ter passado por isso, ou esse dano aconteceu à alguma pessoa próxima, ou a pessoa pode ter apenas presenciado alguma situação traumática.

O Transtorno de Estresse Pós Traumático chamou a atenção da população pela primeira vez em relação aos veteranos de guerra, mas isso pode ter sido resultado de uma variável de acidentes traumáticos, como assalto, estupro, tortura, sequestro, abuso, acidente de carro/trem/avião, bombas ou até mesmo em relação à desastres naturais, como inundações ou terremotos. 

Pessoas com esse transtorno podem se assustar facilmente, se tornarem emocionalmente “entorpecidos” (especialmente com as pessoas com quem costumavam ser próximos), perder o interesse em coisas que costumavam gostar, terem dificuldade em demonstrar afeto, ficarem irritados, se tornarem mais agressivos ou até mesmo violentos. Elas evitam situações que as lembram o acidente, e os dias de aniversário do acidente são muito difíceis. Os sintomas parecem ser piores se o evento que os desencadeia foi iniciado por outra pessoa, como em um assalto ou sequestro. 

Muitas pessoas com transtorno de estresse pós traumático revivem o trauma repetitivamente nos pensamentos durante o dia e durante os pesadelos quando elas estão dormindo. Isso é chamado de flashback. Flashbacks consistem em imagens, sons, cheiros ou sentimentos, e são frequentemente desencadeados por situações comuns, como uma porta batendo ou o barulho de um escapamento de carro na rua. A pessoa que está tendo um flashback perde o contato com a realidade e acredita que o incidente traumático está acontecendo tudo de novo. 

Não é toda pessoa traumatizada que desenvolve o transtorno de estresse pós traumático. Normalmente, os sintomas aparecem após mais ou menos três meses do acidente, mas ocasionalmente podem aparecer anos depois. Eles devem durar mais de um mês para ser considerado Transtorno de Estresse Pós Traumático. O curso da doença pode variar. Existem pessoas que se recuperam com seis meses, enquanto outras continuam tendo sintomas que duram muito mais. Em algumas pessoas, essa condição se torna crônica. 

O Transtorno de Estresse Pós Traumático afeta cerca de 7.7 milhões de adultos americanos, mas ele pode aparecer em qualquer idade, inclusive na infância. Mulheres são mais propensas a desenvolver o transtorno do que homens, e existem evidências que pode ser passado de geração para geração. O transtorno é geralmente acompanhado por depressão, abuso de substâncias, ou um ou mais dos outros transtornos de ansiedade. 

Normalmente, certos tipos de medicamentos e certos tipos de psicoterapia tratam os sintomas do Transtorno de Estresse Pós Traumático com eficácia. 

Depoimentos

“Eu fui estuprada quando eu tinha 25 anos. Durante muito tempo, eu falava sobre o estupro como se fosse algo que tinha acontecido com outra pessoa. Após, eu estava bem ciente que isso tinha acontecido comigo, mas não existia nenhum sentimento.”

“Então, eu comecei a ter flashbacks. Eles vieram até mim como se fossem respingos de água. Eu fiquei aterrorizada. De repente, eu fiquei revivendo o estupro a todo instante. Eu não estava consciente de nada do que acontecia em minha volta, eu estava em uma bolha, como se eu estivesse flutuando. E isso era assustador. Os flashbacks me desconcertavam.”

“O sequestro aconteceu na semana antes do Dia das Bruxas e eu não consigo acreditar na ansiedade e no medo que eu sinto todos os anos perto dessa data de comemoração. É como se eu tivesse visto um lobisomem. Eu não consigo relaxar, dormir e não quero estar com mais ninguém. Eu me pergunto se algum dia eu estarei livre desse problema horrível.”

Texto extraído do material “Anxiety Disorders”, por National Institute of Mental Health.