O cérebro e as experiências na primeira infância - Nádia Bossa
21842
post-template-default,single,single-post,postid-21842,single-format-standard,theme-stockholm,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.5.2,menu-animation-underline-bottom,wpb-js-composer js-comp-ver-6.4.1,vc_responsive
 

O cérebro e as experiências na primeira infância

O cérebro e as experiências na primeira infância

Nadia A. Bossa

As neurociências mostram que a configuração cerebral pode ser modificada e potencializada em função das experiências proporcionadas pelo meio. Pensar a educação a partir desse conhecimento é o grande desafio.

Partindo das contribuições mais recentes das neurociências, vou discorrer neste artigo a respeito da importância das experiências vividas pela criança na primeira infância e como influenciam a arquitetura cerebral. Mais do que sugerir novas formas de ensinar, meu principal objetivo é auxiliar aquele que educa a dar sentido ao seu fazer. Digo sempre que a maior contribuição das neurociências para a pedagogia e a psicologia não reside prioritariamente em trazer novas metodologias, mas, sim, em tornar objetivo aquilo que até então estava no campo do subjetivo.

Podemos, hoje, através dos exames de neuroimagem, constatar o efeito cerebral da atividade humana. Podemos nos valer das pesquisas na área para saber como, quando e o quanto vale a pena brincar de cantar, pular amarelinha, soletrar palavras, lembrar nomes de animais que comecem com F e tantas outras atividades aparentemente simples, mas que, quando realizadas da forma correta, no momento exato, têm o poder de tornar o cérebro o mais potente que ele pode ser.

Matéria completa:
Revista Pátio – Editora Grupo A
Abril/Junho 2017
Número 51